sexta-feira, 8 de abril de 2011

Ecos da estação


- Eu te amo. Você me ama tanto quanto eu?
- E quanto você me ama?
- Infinito.
- ...
- Hein, me ama tanto quanto eu te amo?
- Não sei, é complicado, não gosto de pensar no fim.
- Mas é justamente o sem-fim!
- Só que pra pensar no sem-fim, é preciso pensar no fim primeiro.
- Ok, então te amo em círculo.
- Então eu te amo em círculo.

.....................

(Do fundo dessa lembrança,
pedras de açúcar acertam a tela
é outono:
memórias caem das árvores
e o chão fica cheio de passado)

2 comentários:

Anônimo disse...

do primeiro texto, a última linha não é aquela. você bem sabe.

Tainá disse...

É que você anda ranzinza demais pro outono.