segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Querido papai

passei o dia a comandar uma escavação
por todas as entradas minhas:
marcas, linhas, vãos,
e até os cantos que calo
em busca de algumas palavras
que pudesse dizer a esse homem
cujo aposto pode ser
"meu pai"

eu juro que queria ter
um rancor qualquer
e lágrimas
de uma tristeza que te segurasse pelos pés
quando estivesse quase dentro
do meu poço da indiferença.

nunca te falei,
mas rego esse poço todo o dia
toda a vez que encontro
uma existência de padaria
e você nunca viu a cara que faço
quando falam sobre o tempo na fila do pão
porque não sabem nada sobre o silêncio

eles falam
e você só quer tomar seu café
e ver o tempo passar
na borda da xícara que esvazia.
então respira
e joga a fila inteira,
de um golpe só,
lá no fundo do poço da indiferença.

imagina você lá, pai
nadando em meio a vários estranhos
absolutamente desinteressantes
que formariam grupinhos
e cochichariam:
"Parece que ela jogou o pai no poço" - diria um.

então eu te esqueceria a cada dia
porque a indiferença é o hall do esquecimento
e você morreria sempre e mais
entre cônegos, credores , coronéis
e toda essa gente
que não cheira nem fode
e não faz diferença
quando respira na fila do pão.

mas você,
você não, você foi intensamente covarde
e os intensos nunca caem no poço, pai

essa sua falta era real, era você
era presença tua
e eu não sei mais qual é
o barulho dos seus sapatos chegando em casa
porque só te conheço pela ausência

o que encontrei em mim
pra te dizer hoje
é que você é um grande sacana, meu caro
mas eu tô me fodendo, pai
e te agradeço
sincera
e calorosamente
por ter me gozado.

3 comentários:

Thaís disse...

Sacana também, mas terno...

NossoCP2 - Bia Petri disse...

Você escreve nos vãos, nas beiras, nos desfiladeiros, nos precipícios. A pedra prestes a rolar.

E rola.

Mas Sísifo a toma de volta, etc, etc...

Você escreve sempre com a palavra escancarada, inteira (meias palavras são para os fracos, o que, definitivamente, não é o seu caso).

Gosto muito da sua escrita de cara lavada, encarando o leitor sempre de um modo que ele não tem como desviar o olhar. Depois, ele que resolva o que fazer com o beco no qual ficou encurralado, mas você disse o que queria.

Gosto muito disso.

A poesia também pode ser violência. Ou uma resposta à violência, ou à memória, ou às entranhas, ou ao vômito.

Na sua escrita, a poesia é o que quiser.

Tainá disse...

Adorei. Obrigada. Beijo